Holocaustro Pessoal

Guardado em lembranças
Fechado em mim e sem nenhuma esperança.
Cada dia que passa
Minha alma é corroída
E cada vez que por mim passa
Abre uma ferida

Essas dores diárias é que designam quem eu sou? Talvez.
Tentei lutar contra demônios mas acabei caindo em tentação? Outra vez.

Sem perdão de mim para mim mesmo ao amanhecer.
Sei que ficarei me culpando quando o sol raiar até a lua aparecer.
A dor de não ter mais controle sobre meus atos é que me faz ver
Que nossas vidas estão se acabando aos poucos a cada entardecer

Beijo outros anjos mais é inútil tentar apagar
O que somente teu beijo faz cicatrizar

Saio correndo, madrugada suja na rua
De que adianta tanta rebeldia
Se na verdade minha alma será sempre sua?

Como duas maquinas já programadas
Teu corpo em frente ao meu
Que mesmo com tanta sutileza
Já me levou ao céu

Tua indecisão é minha maior dor
Teu corpo pagão, me trás suor.
Meu ciúmes eu sei, só te afasta de mim
Meu bem isso é só o começo
Do nosso triste fim.

Cecília Richter

Anúncios

Sobre Richter

A realidade não me é conveniente.
Esse post foi publicado em de minha autoria, poesias. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s