Medos

Nossos medos são eternos
Nossas vidas, tão curtas
Mesmo que não quisermos
Nos faremos as mesmas perguntas
Mas se tanto mal me faz
Por que insisto em querer mais?
Complexidade, teoria.
Não sei por que, apenas que não deveria
Atravessar a ponte
Com olhos vendados
Nadar do mar
Com braços atados
O risco que se corre de viver cada segundo
É acabar sozinho;
Esperando o sono profundo.
Lágrima, saiste
Correndo sobre minha face
Mas quando me viste
Em frente ao perigo
Dentro de mim tu ficaste.
Não consigo esquecer teus olhos dissimulados
E que um dia juntos, sonhamos acordados.

Cecília Richter

Anúncios

Sobre Richter

A realidade não me é conveniente.
Esse post foi publicado em de minha autoria, poesias. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s