Vívido cálice de qualquer coisa

Respostas justapostas.
As mãos, o cálice.
Sem vinho dessa vez.
Quando me encontrares novamente
Não sorria assim,
Tão delicadamente.
Arranque-me do lugar
De onde eu estiver
E me leve para conhecer
As estradas turbulentas do meu futuro.
Mas por favor,
Não castre os meus sonhos!
Não me faça ser realista e ter vergonha.
Pudor é um veneno
Que eu não quero mais saborear.
Hoje eu quero uma taça cheia de imoralidades,
Transbordando luxúria
E delicias pecaminosas.
Vamos juntos desfrutar
De um vívido cálice de qualquer coisa.

Cecília Richter

Anúncios

Sobre Richter

A realidade não me é conveniente.
Esse post foi publicado em de minha autoria, poesias. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s